Nunca fomos abençoados com o original Kao The Kangaroo na Xbox, pois foi lançando apenas para (a grandiosa) Dreamcast e PC no início dos anos 2000, mas a sequela "Round 2" chegou na Xbox em 2003 (lançamento para recepção mistas), e agora quase duas décadas mais tarde, este platformer 3D de estilo retro está finalmente a fazer um regresso sob a forma de um novo e moderno reboot.

Se pudéssemos descrever o Kao The Kangaroo de 2022 em poucas palavras, parece um pouco como uma mistura de Super Lucky's Tale e Crash Bandicoot 4, embora com um orçamento evidentemente mais baixo e muito menos polido. A jogabilidade tem lugar em quatro mundos centrais, cada um contendo os seus níveis individuais, onde o objectivo é derrotar inimigos, envolver-se em muitas plataformas, resolver puzzles básicos e recolher moedas e outros objectos coleccionáveis. Joga-se como personagem título, Kao, que parte numa aventura para encontrar a sua irmã desaparecida Kaia e descobrir o que aconteceu ao seu pai.

Inicialmente, a jogabilidade parece muito simplista, o que se poderia esperar para um jogo como este, mas quanto mais se joga, mais começa a abrir-se. Para crédito do criador, há uma boa dose de ambição na jogabilidade de Kao The Kangaroo, introduzindo muitas novas mecânicas à medida que se avança, tais como a capacidade de usar o fogo, o gelo e o vento para resolver puzzles, e utilizando cristais como forma de tornar os caminhos visíveis, semelhante à mecânica de manipulação do tempo em Crash Bandicoot 4 (embora mais básica). Ajuda a que a plataforma também seja agradável no seu todo, e o combate é geralmente bem concebido - bater com botões é bom, mas também há espaço para um pouco de estratégia.

Há muita diversão a ter em Kao The Kangaroo, mas vem com algumas advertências. Os insectos são um pequeno problema no lançamento - ficámos presos algumas vezes, e tivemos alguns raros casos em que os saltos duplos não se activaram por alguma razão, juntamente com o ataque ao estômago que se recusou a trabalhar, o que significou que tivemos de reiniciar o nível à medida que precisávamos para progredir. A outra desvantagem é que a frustração pode por vezes surgir quando há picos de dificuldade aleatórios (embora na realidade seja um jogo bastante fácil no geral), e quando o jogo espera que se saiba como derrotar um chefe ou destruir um certo obstáculo, mas não deixa muito claro o que fazer.

Em termos de apresentação, o desenho do nível em Kao The Kangaroo é geralmente excelente, especialmente os níveis de plataforma mais padronizados. A variedade também é soberba, levando-o de locais do tipo praia a montanhas geladas e até mesmo a um parque de diversões assustador, e visualmente tem um aspecto muito bom. Também recomendamos que o jogo atire num nível de perseguição de rochas ao estilo Crash Bandicoot e num nível de gelo onde se desliza essencialmente até ao fundo, mas estes reconhecidamente podem sentir-se bastante desajeitados e irritantes em comparação com o que se veria em algo como Crash.

As cutscenes não são más, mas falta a actuação da voz em alguns casos (particularmente no caso do próprio Kao), e a história não é nada para escrever em casa. De facto, até chegarmos à última parte do jogo, tínhamos praticamente verificado mentalmente a história e apenas começámos a concentrar-nos nos níveis. Dito isto, as cenas em torno do chefe final são pelo menos bastante interessantes (embora o próprio chefe seja ridiculamente fácil de vencer!).

Kao The Kangaroo é então difícil de resumir, porque embora se sinta definitivamente de baixo orçamento, desajeitado e frustrante por vezes, é também um jogo de plataforma repleto de momentos divertidos e memoráveis. Sente-se como se o criador tivesse ido mais longe para injectar alguma ambição neste jogo e criar algo que mereça um lugar ao lado dos gigantes do género, mesmo que não consiga atingir as alturas elevadas de um Crash Bandicoot ou de um Super Lucky's Tale. É bom ver Kao em excelente forma, e não apenas a ser esmiuçado para ser uma forma fácil de ganhar dinheiro usando a nostalgia.

 7.5Nota8Jogabilidade8Gráficos7Level Design

 

O mundo da Xbox

empty alt

9 novos jogos recebem controlos tácteis na xCloud

empty alt

Comprar a Xbox One X ainda se justifica?

empty alt

Análise: Lego Star Wars - The Skywalker Saga

empty alt

Análise: Assassins Creed Origins (Series S|X)

empty alt

Guia: A melhores baterias para o teu comando Xbox

empty alt

Análise: Guardians of the Galaxy

empty alt

Persona 5 na Xbox terá 40 DLC's incluídos

empty alt

Conta Xbox roubada? 5 dicas para manter a tua conta segura

empty alt

5 jogos single player para jogares este Fim de Semana

empty alt

Análise: Kao The Kangaroo

Back To Top