Passei a maior parte dos meus anos absorvido em JRPGs da era PS1.

Final Fantasy VIII foi a minha primeira experiência no género e foi um amor à primeira vista.  De seguida seguiu-se “The Legend of Dragoon” e Final Fantasy IX e X e esses jogos tocaram-se de uma forma bastante emocional. Ainda me lembro que na geração PS3/X360, fiquei completamente indeciso na consola que pretendia pedir aos meus pais, pois a Xbox 360 tinha capturado third party's importantes como Final Fantasy, Devil May Cry e Lost Odyssey, onde era exclusivo Xbox 360.

Lost Odyssey carrega consigo um pedigree para fazer qualquer jogador prestar atenção. O jogo é obra de Hironobu Sakaguchi, mais conhecido por criar Final Fantasy em 1987. Após sair da Square-Enix, ele formou o Mistwalker Studio em 2004 e começaram a fazer JRPG exclusivamente para a Xbox 360. Situado em um mundo que está começando a ser mudado por magia, os jogadores seguem a história de Kaim. Amnésico e imortal, Kaim logo descobre que não está sozinho, e nem tudo é o que parece. O que se segue é uma história comovente e emocional, enquanto Kaim e seus aliados lutam contra um tirano em ascensão e tentam desvendar os mistérios do passado esquecido dele.

Essas histórias do passado de Kaim foram um dos pontos de venda quando o jogo foi lançado em 2007. Por meio de encontros e eventos aleatórios, Kaim ocasionalmente encontra uma memória trancada. Eles são apresentados no jogo por meio da coleção “A Thousand Years of Dreams”, uma série de contos escritos pelo autor japonês Kiyoshi Shigematsu. Não consigo expressar em palavras o quão boas são essas histórias. É preciso muito esforço para encontrá-los e são totalmente opcionais, mas são incrivelmente bem escritos e são alguns dos aspectos mais emocionais do jogo.

A emoção é provavelmente o aspecto mais relevante do jogo e o que mais me lembro sobre ele. Fora de “A Thousand Years of Dreams”, a história principal ainda não contém rodeios. O imortal Kaim está em uma longa jornada através de seu passado, e nem tudo são rosas. Uma sequência, em particular, interrompe totalmente a ação, pois você tem a tarefa de organizar uma cerimônia fúnebre. É uma parte única do jogo e que puxa as cordas do coração.
Isso não quer dizer que não haja muita ação. “Lost Odyssey” apresenta o tradicional combate JRPG baseado em turnos com um grupo de até cinco. A reviravolta é Kaim, e determinados personagens são imortais: quando caem em combate, eles ressuscitam automaticamente após três turnos. Há um novo nível de estratégia com isso, pesando desperdiçar um turno de cura e lidar com mais danos. Manter as habilidades e a HP do seu grupo é crucial para vencer, mas não será fácil.

“Lost Odyssey” é notória pela curva de dificuldade. Se você não reduzir os níveis no início do jogo, pagará o preço. A dificuldade é equilibrada, porém, por uma curva de experiência ativamente aplicada. O jogo requer algum grinding. O combate também inclui o exclusivo “Sistema de Anel”; anéis equipados para seus personagens concedem estatísticas de ataque especial, mas apenas se você completar um minijogo de tempo no momento do ataque.

No topo do tour de force que é este jogo perfeito está a qualidade geral da produção. A banda sonora partilha as raízes de “Final Fantasy”, composta por Nobuo Uematsu. É uma produção linda, com faixas vibrantes que se encaixam no tema da revolução techno-mágica do jogo. Graficamente, o jogo envelheceu bem, com visuais no mesmo nível dos jogos sendo lançados agora, obviamente sem os beneficios de ray-tracing por exemplo.

“Lost Odyssey” vendeu moderadamente bem, mas não ao nível de um Final Fantasy. Sempre permaneceu como um clássico dorminhoco. Embora no passado fosse um tanto raro, é um título retrocompativel na Xbox e isso significa que finalmente está mais acessivel que nunca. Com o mercado de jogos carente de RPGs tradicionais baseados em turnos, agora é o momento perfeito para dar uma chance a esta jóia subestimada.

Back To Top